Espanha mantém liderança na exportação, mas franceses obtêm mais valor

Espanha, França e Itália. São estes os países que, sem surpresas, lideram o pódio da exportação e do lucro, no que aos vinhos diz respeito, relativo ao ano transacto.

Espanha manteve-se no pole position como país com maior exportação de vinhos para o mundo. Só no ano passado, foram quase 23 milhões de hectolitros (22,8) de vinho vendido para fora do país, seguindo-se de Itália com 21 milhões, e de França com 15 milhões.

Mas se nuestros hermanos lideram no volume de exportação, em termos de valor, a história é outra. Neste caso, os franceses saltam para a liderança tendo facturado cerca de 9 mil milhões de euros. Itália aparece novamente em segundo lugar com menos três mil milhões do que os franceses (6 mil milhões), enquanto Espanha termina o pódio com uma facturação de 2,8 mil milhões.

Espanhóis vendem mais e recebem menos? A explicação está no preço.

Apesar de terem exportado mais de 7,8 milhões hectolitros de vinho que os Franceses, Espanha tem um valor de facturação muito abaixo dos Franceses, resultado facilmente explicado pelo preço médio por litro do vinho praticado por ambos.

O vinho em França foi vendido a um preço médio de 6 euros por litro, um valor quase 5 vezes superior ao espanhol (1,25 euros). Já os italianos estão novamente "no meio da barricada" com um preço médio por litro de 2,78 euros.

Esta discrepância espanhola entre o volume e o preço pode ser explicada pelo facto de mais de metade do seu volume de exportação – 12,6 milhões de hectolitros – resultar da venda de vinho a granel, tradicionalmente mais barato do que o vinho engarrafado.