O seu carrinho

O seu carrinho de compras está neste momento vazio.

Continuar a Comprar

Total do carrinho €0,00


Sudoku exercita o cérebro? não tanto como o vinho …

Dec 27 , 2017

Sudoku exercita o cérebro? não tanto como o vinho …

Mais do que a matemática, a música ou mesmo o famoso quebra cabeça sudoku: o vinho volta a ser apontado como um dos melhores aliados da saúde mental pela Escola de medicina de Yale.

 
Há várias formas de exercitar o seu cérebro: hoje em dia quase tudo passa pelos ecrãs dos computadoressmartphones ou ipad,s mas nem sempre essa foi a forma predilecta de o cérebro se exercitar. Quem não se lembra das revistas de sudoku (ainda existentes mas menos famosas), as palavras cruzadas ou os puzzles ? 

 

Estas são todas formas válidas de não deixarmos adormecer aquilo que nos distingue dos restantes seres vivos. No entanto, segundo a escola de medicina de Yale, nada se compara ao vinho, no que toca a exercitar o cérebro. 

 
Quem o afirma é Gordon M.Shepherd, professor de neurobiologia da faculdade de Medicina da Universidade de Yale, nos EUA. Segundo este especialista, beber vinho estimula mais áreas da massa cinzenta do cérebro do que qualquer outro comportamento humano. Difícil de acreditar? Está tudo explicado no livro publicado pelo professor catedrático: “NeurogastronomyHow the brain creates flavour and why it matters”, onde demonstra como um gole de vinho desencadeia uma actividade neuronal fora de série. 

 
Há muitas coisas a aprender neste livro: por exemplo, sabia que o sabor não está no vinho? É verdade, tem tudo a ver com cérebro: “O sabor é criado pelo cérebro do provador de vinho, cujo esforço mental se compara ao de tentar resolver uma equação matemática complicada”, explica Shepherd. E isto porque as moléculas do vinho não têm sabor, forçando o cérebro a basear-se em aromas conhecidos e experiências do passado para “inventá-lo”.

 
O professor acrescenta ainda que “este é um trabalho em que as papilas gustativas misturam o olfacto com a memória para gerar um verdadeiro exercício mental, que, no final, culmina com a sensação que percebemos como sendo o sabor da bebida» - termina o neurocientista. 

A carregar
Obrigado por subscrever!
Portuguese (Portugal)