O seu carrinho

O seu carrinho de compras está neste momento vazio.

Continuar a Comprar

Total do carrinho €0,00


Vinoterapia será benéfica para a pele?

Apr 17 , 2018

Vinoterapia será benéfica para a pele?

Esta parece ser a nova tendência em crescimento nos Spas: a ideia é proporcionar os benefícios da vinhoterapia, num banho de imersão de vinho tinto. A prática é especialmente famosa em França e Itália, e, recentemente chegou a Inglaterra. Mas apesar de esta ser uma prática em crescimento, nem todos estão de acordo: será este banho benéfico ou prejudicial para a pele? 

Madeleine Howell, jornalista do The Telegraph, foi até Fulham, onde foi inaugurado o primeiro Spa de vinhoterapia em Inglaterra, para viver na primeira pessoa este banho de vinho quente. Um dos seus grandes medos era que o álcool secasse e estragasse a sua pele, assim como o seu cabelo. Mas tal não aconteceu.  

No entanto, Howell não tem a certeza que o banho lhe tenha feito algo mais do que apenas relaxá-la. Para esclarecer os efeitos deste banho na sua pele, decidiu falar com Milena Brillia, uma das fundadoras do SPA. Milena afirma que “aplicar vinho tinto na cara combate o acne e limpa os poros”. Para além disso, a fundadora garante ainda que o extracto de grainhas de uva de tinto “hidrata a pele e também protege a pela dos danos causados pela exposição ao sol, ainda que não sirva como substituto do protector solar.” 

No entanto, nem todos estão de acordo. Sara Kayat, médica fundadora da App GP-on-demand, não está convencida que banharmo-nos em álcool possa trazer todos esses benefícios. Segundo a médica, “as propriedades hidratantes do óleo de uva serão neutralizadas pela tendência do álcool, e neste caso do vinho tinto, de desidratar a pele”.   

Para além disto, Kayat acrescenta que “não há qualquer estudo ou pesquisa que comprove que a imersão em vinho tinto melhore a qualidade da pele”. Os estudos que existem sugerem apenas que “os polifenóis das castas de vinho tinto têm a capacidade de proteger a pele dos efeitos adversos da radiação ultravioleta, inflamação da pele e stresse oxidativo”, o que não significa que ao aplicarmos vinho directamente na pele a estejamos a proteger, antes pelo contrário: “temos grande probabilidade de a desidratar”.  

 

Assim, de acordo com a médica, a melhor solução passa por “em vez de aplicar o álcool directamente na pele, usar um creme para a cara que contenha polifenóis” e, na dúvida, optar por um banho de imersão tradicional, com água quente. 

Agora a escolha é sua: o seu banho é de tinto ou de água? 

A carregar
Obrigado por subscrever!